quinta-feira, 20 de julho de 2017

Redes Sociais

 A vinte anos atrás eu me lembro que tinham pessoas que diziam: “No meu tempo...” E hoje eu me pego dizendo: “No meu tempo...”. Porque a um tempo atrás quem tinha 38 anos, ao meus olhos, era um jovem de 38 anos. E agora eu me sinto um velho de 38 anos.

Por exemplo, redes sociais. Redes sociais no meu tempo não tinha. Eu me pergunto o que são redes sociais?Social vem da palavra latina, parceria, que é uma palavra que quer dizer: amigo, companheiro e aliado. Então, teoricamente, nas redes sociais, deveria encontrar amigos, companheiros e aliados. Teoricamente deveria ser assim.

Eu me lembro das coisas sociais da minha vida. E a primeira coisa que me vem em mente, é da minha época de escola. Onde me faziam desenhar, barquinhos no mar, flores, a família, o sol... E eu me perguntava: Mas porque me fazem desenhar essas coisas? Mas não tinha uma resposta.

Ia pra casa, entrava no jardim e começava a brincar. E dessa fase me vem em mente frases nostálgicas, tipo: “Quem quer brincar levanta a mão”.

Para pedir amizade se usava a mão, não se apertava um botão.

Me lembro de coisas muito sociais, por exemplo minha mãe e fotos.
Um vez eu me lembro de estar, correndo, correndo e a um certo momento minha mãe gritou: -Para! – mas o que aconteceu, eu me perguntei: Uma mina? Não, disse minha mãe. - Temos que fazer uma foto. Ok, “click” foto feita. Quando eu ia me mover, minha mãe gritou de novo: Para! Temos que fazer outra foto, aquela de segurança. Minha mãe era compulsiva em relação à foto de segurança. Juro, uma mania irritante.

Outra coisa que minha mãe fazia. Eu me lembro de chegar em casa e ver minha mãe, que fazia uma foto da minha tia cozinhando, depois do meu pai lendo jornal, depois outra ao telefone, sofá. E eu perguntei: Mãe o que a senhora esta fazendo? E ela me respondeu: - Terminado o filme.
Você lembra dessa frase?Você levava o rolo de filme ate uma loja de fotografia para revela-lo e  esperava uma semana para ver as fotos. Agora eu te digo, tenho mais de 4.000 fotos no celular, todas salvas na “nuvem” e não as revejo nunca. Não se revelam mais fotos. Sabe quais as fotos que sempre vejo?Aquelas de segurança da minha mãe, que estão nos portas retratos da sala da casa dela.

Outra coisa que me vem a cabeça, é quando meu pai chegava em casa e perguntava pra minha mãe: “Alguém ligou pra mim?” Não, respondia minha mãe.
No meu tempo não tinha celular. Imagina a emoção de alguém que te procura e não te encontra.

Lembro do meu pai pegando a carteira da gaveta e dizendo: “Vou esquentar o carro pra gente sair”.

No meu tempo, uma reunião de família era sinal de 20 primos correndo de um lado pro outro ou em volta de uma mesa compartilhando historias entre si. Hoje reunião de família é uma mesa com 20 pessoas que estão todas de cabeça baixa olhando para o celular.

Muitas coisas se perderam. O - Telefona quando chega! Ninguém mais liga pra dizer que chegou bem. O telefone quando acaba a bateria a gente parece que esta nu.

Mas é claro que não posso ser hipócrita e dizer que não uso as redes sociais, claro que eu uso, é uma descoberta maravilhosa. Eu só questiono se sabemos usar bem as redes sociais. Acredito que muitas vezes a gente tem medo de dizer que esta feliz, porque tem medo da inveja dos outros, a gente se sente um pouco envergonhado da felicidade.

E me lembro da minha época de escola e dos desenhos que fazia, flores, arvores, a família. E hoje eu entendo porque nos faziam desenhar essas coisa. Porque são coisas bonitas...

Texto adaptado

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Coloquei as expectativas na gaveta e fui viver...



Eu já esperei demais. De mim. Dos outros. Dos desconhecidos. Enquanto esperava, nada acontecia. Ou tudo acontecia, mas nunca como o esperado.
Nenhum dialogo e caminho eram exatamente como imaginei.
Então, troquei o esperar pelo viver. Troquei as expectativas de mensagens nunca recebidas por presentes nascidos em qualquer esquina.
Entregas sinceras e nunca antes planejadas, ainda assim inteiramente sentidas.
Se eu desisti do futuro e de um certo cuidado?
Longe disso. Eu aprendi a diferença entre medo e maturidade. Entre apenas esperar e realizar. A sabedoria de pisar em pedras e olhar o alto, ao invés de caminhar em nuvens vazias. O tal viver.
Então, não se preocupe ao encontrar mais uma destas expectativas pela vida. A solução é simples (e bastante efetiva). Coloque-a na gaveta com as suas semelhantes. Com todas as demais ilusões presentes e ausentes em nossas vidas. Depois, vá embora. Elas se farão companhia.

Livro - O homem que sente - Matheus Jacob

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Emoções inúteis: culpa e preocupação.



Culpa quer dizer que você desperdiça seus momentos presentes em consequência de um comportamento passado. A preocupação é uma cilada que o mantém imobilizado no presente em função de alguma coisa futura. Embora uma reação mire o futuro e a outra ao passado, ambas tem o mesmo propósito de mante-lo aborrecido ou imóvel no presente.

Só um fantasma se apega a seu passado, explicando-se com auto definições baseadas numa vida já vivida. Você é aquilo que escolhe ser hoje, não o que escolheu antes.

Se você acredita que se sentindo culpado ou se preocupando muito vai conseguir mudar um acontecimento passado ou futuro, então esta vivendo em outro planeta, com um sistema diferente de realidade.

A culpa é o maior desperdício de energia emotiva, porque, por definição, você esta se sentindo imobilizado, no presente, por algo que já aconteceu e nenhuma dose de culpa poderá mudar a historia. Não há nenhuma culpa que seja capaz de desfazer coisa alguma. Sua culpa é uma tentativa de mudar a historia, de fazer com que ela não seja como é, mas a historia é assim e você nada pode fazer nada a respeito.

Se você faz algo, seja lá o que for, e não gosta do fato em si, ou de você mesmo por tê-lo feito, pode jurar que eliminara tal comportamento voluntariamente, no futuro. Mas experimentar uma sentença de culpa autoimposta é uma viagem neurótica que você não precisa fazer. A culpa não ajuda. “Se eu erro, peço desculpas e sigo em frente. Não me detenho nisso; simplesmente concerto o prejuízos causados”. Se algo faz se sentir mal, declare isso com todas as letras, pois a culpa trabalha no silencio e na solidão.

“Não é experiência de hoje que enlouqueceu os homens. É o remorso por algo que aconteceu ontem, e o temor do que o amanha pode revelar”. – Robert Jones Burdette (Golden Day)

Não há nada com que se preocupar! Absolutamente nada! Você pode passar o resto de sua vida, a começar por agora, preocupando-se com o futuro, e nenhum soma de preocupação mudara coisa alguma. Lembre-se de que a preocupação o imobiliza no presente em resultado do que vai ou não acontecer no futuro. Você precisa ter cuidado para não confundir preocupação com planejamento do futuro. Se você esta fazendo planos e se sua atividade no presente pode contribuir para um futuro mais conveniente, então isso não é preocupação. Só é preocupação quando você fica de alguma forma mobilizado, agora, em função de um conhecimento futuro.

O guerreiro japonês foi capturado por seu inimigo e aprisionado em um calabouço. A noite, não conseguiu pegar no sono porque tinha certeza de que na manha seguinte seria cruelmente torturado. Então, lembrou-se dos ensinamentos de seu mestre zen: “O amanha não é real. A única realidade é o presente.” Assim, voltou ao presente e acabou dormindo.


Comece a encarar seus momentos presentes como tempo para viver, em vez de ficar obcecado pelo futuro.

Onde você esta? Aqui.
Que horas são? Agora.
O que é você? Esse momento

“A regra é: complicações para manha, complicação para ontem... mas nunca complicações para hoje.”


Fonte: Livro: Seus pontos fracos - Wayne Dyer

segunda-feira, 27 de março de 2017

O tempo só cura o que estiver decidido.



O tempo cura tudo? Não. O tempo somente cura o que já estiver decidido. No fundo, uma verdade bastante simples.  Os fins são superados depois de se tornarem fins. Machucados apenas cicatrizam quando decidimos nunca mais tocar os descasos que tanto nos feriram. De nada vale esperar o tempo passar se insistimos em voltar  para onde não deveríamos. Se continuarmos revivendo as mágoas daqueles que não merecem mais um único instante das nossas vidas. Uma simples verdade, ainda assim tão difícil de ser vivida. Por quê? Talvez por medo. Talvez pelo receio da solidão e de perder algo que nunca nos pertenceu. De certa forma, nos sempre estaremos sozinhos. A solidão é inevitável. O sofrimento não. Uma hora podemos simplesmente deixa-lo para trás. Podemos decidir seguir. Uma generosidade não apenas com nos mesmos, mas também com o tempo. Afinal, alem de escasso, ele só cura o que já estiver decidido. Então, por favor, evite os desperdícios. 

Matheus Jacob – O homem que sente
 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Chegou o momento da vida!

O desanimo é perigosa erva nadinha capaz de destruir a plantação de sues mais lindos sonhos. As dificuldades fazem parte do chamado “kit” sucesso. Vamos nos convencer de que tudo o que desejamos ainda não esta pronto, e, em assim sendo, razoável pensar que nada virá sem esforço, perseverança e ação. Se você almeja qualquer realização, saiba que barreias fazem parte da corrida denominada “felicidade”.

Entrega-se ao desanimo diante dos obstáculos é abrir mão de seus sonhos, é jogar na lata do lixo as suas metas é começar a morrer antes da hora.

Repare que seu pior momento na vida pode ser tanto o ensejo de você  abandonar se
us projetos, quanto pode ser o melhor instante de você reverter a situação armando-se de paciência, motivação e melhor qualificação.
O instante é o mesmo para que se rende ao fracasso ou para quem recupera ânimo para a vitória.

Esse é um conselho sábio que Chico Xavier obteve do mundo espiritual e que agora critica, em que talvez você esteja pensando em largar tudo. Calma. Pense a respeito. Não se entregue. Agora pode ser o instante precioso no qual você dará a grande virada em sua vida. Agora mesmo pode ser dado o primeiro passo em direção ao êxito, neste exato momento você pode começar a escrever uma linda historia de superação, coragem e heroísmo.


Lembre-se de que você não esta só nesta corrida. Alguém muito especial vela por você neste instante. Não importa o nome que lhe damos, importa saber que alguém lhe ama verdadeiramente. É provável que tenha sido ele quem lhe inspirou a chegar ate aqui e ler essa mensagem. É quase certo que essa força divina , que nos auxilia nos momentos de indecisão, tenha me inspirado a colocar esse texto. Fizeram isso porque tinham um endereço certo: você. 

Autor: José Carlos de Lucca

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A vida é um só ponto.


“Lamentar um pouco Menos, Esperar um Pouco Menos, e Amar um Pouco Mais! “- André Comte-Sponville

Passado e futuro são inexistentes. Nascem da nossa insegura tentativa de enxergar o tempo como uma linha. Na verdade, a vida é um só ponto. No passado, residem apenas as lembranças do que já foi. Do outro lado, estão somente as esperanças do que há de vir. Nada além disso. Então, não alimente as magoas. Não cultive também as expectativas. Ate mesmo a mais criativa das ansiedades é incapaz de superar as graças da vida. Nos resta, com muito prazer, desfrutar o instante presente. Não lamentar o passado ou esperar por um inexistente futuro. 

Pareço pessimista?
 
Apenas pareço. Por trás destas palavras reside o mais realista otimismo. Afinal, a sua pratica nos torna livre para amar o agora (e amar agora).
É nesse instante do tempo que a felicidade existe.
Exige coragem, eu sei. Exige a capacidade de lidar com o incerto e não esperar nada do amanhã. 

Ousado demais? 

Talvez. Mas prefiro não alimentar as expectativas. Afinal, elas mordem (elas morrem).

Matheus Jacob – Homem que sente